Escrito por llenna às 04h52
[] [envie esta mensagem]



 

OI! MEU NOME É LENA, ESPERO QUE VC GOSTE DO BLOG, POIS FOI FEITO COM MUITO CARINHO PARA VC. NUNCA TINHA FEITO UM BLOG, E QUANDO RESOLVI FAZER NÃO PENSEI DUAS VEZES FIZ JUSTAMENTE DA CIDADE ONDE MORO PARA QUE VC POSSA CONHECER UM POUCO DESSA MARAVILHA CHAMADA BELÉM-PARÁ-BRASIL.

                                                         



 Escrito por llenna às 01h10
[] [envie esta mensagem]



Algumas Fotos da Terrinha)

  História

Capital do segundo maior Estado do Brasil, o Pará, Belém tem 383 anos e é uma cidade referencial na Amazônia. Conhecida por realizar há mais de 200 anos uma das maiores festas religiosas do País, o Círio de Nossa Senhora de Nazaré, que ocorre no segundo domingo do mês de outubro, Belém está localizada a aproximadamente 160 quilômetros da linha do Equador, e está às margens da baía do Guajará e do rio Guamá. Mais da metade de sua área de 718 quilômetros quadrados é formada por ilhas. A população possui características étnicas que misturam o índio, o negro e o branco europeu. De acordo com dados do IBGE, em 1996 a população da Grande Belém era de aproximadamente 1,6 milhões de habitantes.

O clima em Belém é quente e úmido, influência direta da floresta amazônica, onde as chuvas são constantes. As incontáveis mangueiras existentes nas ruas da cidade - daí o título de Cidade das Mangueiras - ajudam a amenizar o calor, principalmente nos meses mais quentes de julho a novembro quando a temperatura pode chegar a 38 graus. Além de aliviar o calor, as mangueiras ornamentam a cidade e fazem a delícia dos amantes da manga, já que em janeiro e fevereiro, época da safra, Belém é inundada pelo fruto.

A culinária paraense é uma das mais típicas e diversificadas do Brasil, não só pela clara influência indígena, mas também pela variedade de peixes e frutas existente na região e que emprestam exotismo e sofisticação aos pratos.

O bairro da Cidade Velha é o mais antigo de Belém. Foi a partir dele que surgiu a cidade, fundada em 12 de janeiro de 1616 pelo explorador português Francisco Caldeira Castello Branco, que desembarcou na região comandando uma missão religiosa e militar com o objetivo de conquistar uma importante área: a foz do Rio Amazonas. No bairro pode-se encontrar rico patrimônio arquitetônico composto de casarões, palacetes e igrejas em estilo neoclássico, herança da era da borracha, época de grandes mudanças no perfil urbano e social da cidade. Na Cidade Velha estão localizados grande parte dos pontos turísticos de Belém: Forte do Castelo, Mercado do Ver-O-Peso, Igreja da Sé, Conjunto Arquitetônico Feliz Lusitânia, Palácios Antônio Lemos e Lauro Sodré, entre outros.

A cidade se ampliou e surgiram vários bairros. Belém virou um importante marco estratégico para a coroa portuguesa. Mas a convivência entre portugueses, índios e negros nem sempre foi tranquila. Como a independência do Brasil em 1822 não foi aceita pela província do Pará, surgiu um sangrento conflito: a Cabanagem. Pela primeira vez, setores populares tomaram o poder. O movimento, no entanto, foi dizimado pelo governo imperial, mas a lembrança da revolução cabana ainda permanece na memória dos paraenses.

O destino da região mudou definitivamento com a implantação da rodovia Belém-Brasília na década de 60. Ferro, cobre, manganês, bauxita, entre outros minérios fazem do subsolo da Amazônia um dos mais ricos do planeta. Com isso, grandes projetos foram instalados no sul do Pará, o que acabou por provocar intensa migração para a região.

A cidade cresce e hoje Belém é parada obrigatória para aqueles que desejam conhecer mais de perto a região que possui a maior biodiversidade do mundo, a Amazônia.



 Escrito por llenna às 22h53
[] [envie esta mensagem]



Basílica de Nazaré
Praça Justo Chermont, sem número; telefone 241-8894. Período de visitação: de terça-feira a domingo, de 8 às 13h30 e de 15 às 18h30. Segunda-feira é fechada.

Bosque Rodrigues Alves
Avenida Almirante Barroso, sem número, no Marco; telefone 226-2308. Período de visitação: de terça-feira a domingo, de 8 às 17 horas. Ingresso a R$ 0,50. Diretor responsável: Marcos Luís Nascimento.

Complexo de Santo Alexandre
Praça Dom Frei Caetano Brandão, na Cidade Velha; telefone 223-2362 e 223-1565. Visitação: horário comercial, até o final de outubro, com entrada franca.

Forte do Castelo
Na Praça Dom Frei Caetano Brandão, 117, no VER-O-PESO; telefone 223-5784. Visitação: de 8 ao meio-dia. Ingresso: R$ 1. Responsável: tenente-coronel Carlos Cézar Leal de Albuquerque.

Fundação Curro Velho
Rua professor Nelson Ribeiro, sem número, no Telégrafo; telefone: 244-5925. Período de visitação: de segunda-feira a sexta, de 8 horas às 18. Entrada franca. Diretora responsável: Dina Maria César de Oliveira.

Igreja da Sé
Praça Frei Caetano Brandão, sem número; telefone 223-2362. Período de visitação: de terça-feira a sexta, de 8 horas às 11; e das 14 às 17 horas.

Igreja das Mercês
Travessa Frutuoso Guimarães, 31, no Comércio; telefone 224-2402. Período de visitação: de segunda-feira a sábado, de 8 às 13 horas.

Igreja Nossa Senhora do Carmo
Praça do Carmo, 72, Cidade Velha; telefone: 241-1100. Visitação: de segunda-feira a sexta, de 8 às 11 horas, e das 14 às 17 horas.

Museu de Arte de Belém
O Mabe, no prédio do Palácio Antonio Lemos, na Praça Dom Pedro II, sem número, na Cidade Velha; telefone: 242-3344. Visitação: de terça-feira a sexta, de 10 ao meio-dia, e de 14 às 17 horas; aos sábados e domingos, de 9 às 13 horas. Entrada franca. Diretora responsável: Lúcia Hussak Vanvelthem.

Museu de Arte Sacra
Praça Frei Caetano Brandão. Fone 225-1125. O museu, aberto de terça à sábado das 10h às 18h, domingos e feriados das 10h às 14h, faz parte do complexo formado pela Igreja de Santo Alexandre e o Palácio Episcopal, ambos do séc. XVIII. Ingressos R$4,00. Entrada franca às terças-feiras.

Museu do Círio
Alameda do Quartel, sem número; subsolo da Basílica de Nazaré, em Nazaré; telefone 224-9614. Visitação: dias úteis, horário comercial. Entrada franca. Diretora responsável: Socorro Ribeiro.

Museu do Estado do Pará
MEP, na Praça Dom Pedro II, sem número, na Cidade Velha. Funciona no Palácio Lauro Sodré. Telefone: 225-3853. Visitação: de segunda-feira a sexta, de 9 às 17h45; aos sábados ocorre a Feira de Antiguidades, de 9 às 17 horas. A entrada é franca. Diretora responsável: Rosângela Marques de Britto.



 Escrito por llenna às 22h52
[] [envie esta mensagem]



Museu Paraense Emílio Goeldi
Avenida Magalhães Barata, 376, em Nazaré; telefone 249-0234 e 249-0163. Visitação: de terça-feira a quinta, de 9 ao meio-dia, e de 14 horas às 17; às sextas-feiras, de 9 ao meio-dia; sábados e domingos, de 9 às 17 horas, sem intervalo. Visita ao parque zoobotânico: R$ 1; circuito completo no parque, exposição e aquário: R$ 3. Criança até 10 anos não paga. Diretora responsável: Adélia de Oliveira Rodrigues.

Parque da Residência
Avenida Magalhães Barata entre a travessa Castelo Branco e a rua 3 de Maio, em São Brás. Antigo local de moradia dos governadores do Estado, o parque funciona de terça-feira a domingo, de 9 às 23 horas, e segunda-feira de 11 às 23 horas. A entrada é franca. Possui restaurante que funciona de terça a domingo de 12h às 15h30 e de quinta à sábado para o jantar, sorveteria, além de orquidário e muito verde. Responsabilidade administrativa: Secretaria de Cultura do Estado (Secult).

Parque dos Igarapés
Conjunto Satélite, WE 12, número 1.000; telefone 248-1718;
248-1766. Valor para a visitação: R$ 10. Responsável: Roberto Milton Pinheiro.

Teatro da Paz
Avenida da Paz, sem número, na Praça da República, no Centro.
Telefone: 224-7355 e 2247201. Período de visitação: de segunda-feira a sexta, de 9 às 18 horas. Sábados e domingos, marcar com antecedência. Preço do acesso: R$ 2. Diretor responsável: Edwaldo Martins.



 Escrito por llenna às 22h51
[] [envie esta mensagem]



Amantes da Natureza


O Pará é rico em alternativas de lazer para o estilo camping turístico ou próprio aos amantes da natureza. É o caso de Monte Alegre (623 quilômetros de Belém), no oeste do Pará, com suas ladeiras, mirantes e uma paisagem composta de serras, lagos e rios. No mesmo molde está ainda Conceição do Araguaia (1.100 quilômetros da capital), um dos grandes polos turísticos, encravado à margem esquerda do rio Araguaia, com praias sazonais. Outro exemplo é Alenquer (701 quilômetros de Belém), na margem esquerda do rio Amazonas, no qual a beleza natural e o misticismo se fundem. Nesse âmbito que agrada os olhos encontra-se Tucuruí (280 quilômetros em linha reta de Belém), que oferece inclusive passeios ecológicos e nas ruínas das cidades semi-submersas.

Tal como Soure, Salvaterra, na Ilha de Marajó (a 83 quilômetros da capital), tem com o que cativar os visitantes, como as praias e campos. O mesmo ocorre com a Ilha de Maiandeua, popularmente conhecida como Algodoal (a 200 quilômetros de Belém), em Maracanã. E ainda vizinhos à capital estão Castanhal (a 77 quilômetros de Belém), com agrovilas e o aprazível Camping Ibirapuera, no bairro Estrela; Vigia (a 98 quilômetros de Belém), com a arquitetura antiqüíssima; e Santa Izabel do Pará (a 48 quilômetros de Belém), em que há igarapés famosos, como Caraparu e Porto de Minas.

Caminhadas pela floresta
Com direito a passeios pelos furos e igarapés do rio Guamá, Moju e Acará, com observação do cotidiano da população ribeirinha. É o que dispõe a Amazon Star Turismo Ltda. (rua Henrique Gurjão, 236, Belém; telefone (091) 212-6244, 241-8624).

Canais e Ilha dos Papagaios
É o que oferece a Amazon Incoming Services (avenida Gentil Bittencourt, 3552, telefone (091) 249-4904), num leque de variações interessantes. No passeio de três horas pelos canais naturais que cortam as ilhas ao redor de Belém está prevista uma parada numa ilha com direito à caminhada para reconhecimento da área e explicação sobre diversas árvores típicas da região. Com o mesmo roteiro também é oferecido passeio em que está previsto almoço em restaurante típico em estilo maloca, construído às margens do rio Guamá. Na Ilha dos Papagaios, na jurisdição de Belém, o passeio é realizado antes do nascer do sol, no qual a principal atração é a revoada das aves.

Passeio Fluvial "Encontros e Encantos"
Desfrutando as belezas dos rios Guamá, Moju, Acará na Baía do Guajará. No dia 12 deste mês, com passeio de lanchas, drinques de boas-vindas, sorteios de brindes típicos do Pará, música ao vivo, além de guia acompanhante, tudo incluso. Informações e reservas: Raios de Sol Viagens e Turismo (rua Veiga Cabral, 1023, Batista Campos; telefone (91) 223-5140).

Passeio Fluvial Itancoã
Programações variadas, como a travessia do rio Guamá e subida pelo rio Guajará-Miri, com desembarque na comunidade afro-indígena de Santa Maria do Itancoã-Miri, no Baixo-Acará e até excursão pela Ilha do Marajó. Passeio durante todo o dia, cada um com até quatro horas. Em noites de lua cheia, seresta com música ao vivo, além de jantar. Contatos: Neytur - Turismo Ltda (rua Carlos Gomes, 300, Belém). Telefones: (91) 241-0777, 224-4552, 224-2469, 222-3872.



 Escrito por llenna às 22h49
[] [envie esta mensagem]



O roteiro do sol na costa do Pará:

Mosqueiro - Localizado a 61 quilômetros de Belém, o balneário, em frente da Baía do Guajará, já foi uma das mais belas ilhas fluviais do Pará. Com 17 km de costa, distribuída em 21 praias de água doce, a ilha do Mosqueiro hoje está praticamente inviável pelo alto índice de poluição. Mesmo assim, é um dos principais pontos do verão paraense. Acesso: BR-316, entrando na PA-391.

Icoaraci - A 18 km de Belém, a única praia da “Vila Sorriso” é a do Cruzeiro (água doce, mas contaminada), destaca-se por ser o centro de produção de cerâmica artesanal Marajoara e pelas barracas de petiscos e bebidas. Vale a pena conhecer os restaurantes especializados na culinária regional, com pratos à base de peixes e frutos do mar regados ao tucupi. Acesso: av. Almirante Barroso, entrando pela rod. Augusto Montenegro.

Ilha do Outeiro - É banhada pela Baía do Guajará e está a 18 quilômetros de Belém. É considerada a praia mais popular pelo fácil acesso. Barraquinhas à beira da praia garantem comida e bebida aos veranistas, a preços bem acessíveis. Acesso: av. Almirante Barroso, rod. Augusto Montenegro, rod. Jader Barbalho.

Ilha de Cotijuba - Localizada na Baía do Marajó, a 25 minutos de lancha de Belém, saindo do trapiche de Icoaraci. A ilha tem mais de mil hectares de natureza quase intocada. Nela também há praias de grande beleza, com paisagens muito particulares, que vão desde os elevados barrancos de calcário até a densa vegetação e areias de terra branca e finíssima. As ruínas de um antigo presídio conferem atrativos históricos aos passeios à ilha.

Salinópolis - A 210 km de Belém, Salinas como é mais conhecida, é um dos balneários de água salgada mais freqüentados da região. Possui 20 km de praias com areias brancas, finas e vegetação nativa. Uma excelente infra-estrutura, envolvendo restaurantes, bares, hotéis, pousadas e barracas de petiscos típicos, além de uma vida noturna bastante agitada. Na praia do Atalaia, a extensa faixa de areia branca e batida permite o acesso de veículos e a prática de esportes de verão. A grande febre dessas férias, ficará por conta dos quadriciclos e motonetas, que têm suscitado polêmicas no Detran. Acesso: BR-316/PA-124 / PA-324.

Marapanim - A 150 km de Belém. Destacam-se as praias de Marudá e Crispim. A praia do Crispim, com 14 km de extensão e a 8 km de Marudá (estrada asfaltada), apresenta barracas rústicas, com serviços de bebidas e petiscos. Do Porto de Marudá partem barcos, que garantem acesso à Ilha de Algodoal, em Maracanã. Acesso: Rodovia BR-316 / PA-136 / PA-318.

Maracanã - VILA DE ALGODOAL - A 147 km de Belém, destacam-se a Ilha de Algodoal, que fica a 40 minutos de Marudá (via barco). Em Algodoal, o único transporte é de charrete. A beleza natural é sem igual. Vale a pena conhecer o Lago da Princesa, de água doce e cercado de uma paisagem fascinante, muito procurada pelos amantes do camping. Acesso: Via Fluvial: barco do porto de Marudá.

Maracanã - Praia de Marieta (Ilha do Marco) - Praia deserta situada no município de Maracanã, de mar aberto, com ondas fortes, areia clara, final e com dunas. Acesso de barco, a partir de Salinópolis (30 minutos) e de Maracanã (1h30). Vale a pena conhecer o Lago do Peixinho, ideal para os adeptos do turismo de aventura. Acesso: Via marítima - barco a partir de Salinas, com duração de 30 minutos, a partir de Maracanã, com duração de 1h30.

Bragança - Fica às margens do rio Caeté, tendo ao norte o Oceano Atlântico. Distante 210 quilômetros de Belém, é uma cidade histórica, que tem como principais atrações a sua arquitetura colonial e a cultura popular, onde se destaca a Marujada. Dispõe de hotéis simples, além da beleza de suas praias. A praia de Ajuruteua, a 35 km de Bragança é a principal da região. Tem águas claras, ondas fortes, areia branca, fina e com dunas. Acesso de carro em estrada pavimentada, ou por barco, saindo do trapiche municipal de Bragança até a vila de pescadores em Ajuruteua. Acesso: Via terrestre - BR-316 / PA-242, viagens com cerca de 4 horas de duração. Via marítima: barco saindo do trapiche municipal de Bragança.

Viseu - Divisa com o Estado do Maranhão, a 320 km de Belém, suas praias são um santuário ecológico (rica fauna e flora) propício ao turismo de aventura, sem infra-estrutura. Seu litoral é a prolongação dos Lençóis Maranhenses. Conhecida como a mais bela praia da região, Apeú-Salvador, a 20 km de Viseu, é a principal praia para banhos. Plana, com ondas fortes, areias branca, fina e dunas. Pequeno comércio e locais para refeição na vila de pescadores. Acesso: Via terrestre - BR-316 PA-242. Via marítima (Apeú-Salvador). Barco com duração de 3h30, partindo de Viseu.



 Escrito por llenna às 22h45
[] [envie esta mensagem]



O centro da cidade de Belém



 Escrito por llenna às 22h40
[] [envie esta mensagem]




 

 

 

Foto: Dirceu Maués
Praia de Joanes vista da Pousada Ventania do Mar
 
Foto: Dirceu Maués
Salvaterra
 
Foto: Dirceu Maués
Salvaterra
 
Foto: Dirceu Maués
Salvaterra
 
Foto: Paula Sampaio
Guarás (Museu Emilio Goeldi)
 
Foto: Paula Sampaio
Jacaré (Museu Emilio Goeldi)
 
Foto: Neldson Neves
Praça da Bíblia
 
Foto: Arquivo
Bragança, vista do rio Caeté

 

 

 



 Escrito por llenna às 22h35
[] [envie esta mensagem]




 

 

 


 
Praia do Pesqueiro em Soure na ilha do Marajó
 
 
Praia de Mosqueiro
 
 
 
 
 
Praça da República à noite
 
 
Tunel de mangueiras da Praça da República, 1997
 
 
Fachada do teatro da Paz
 
 
Garça na Praça Batista Campos
 
 
Marudá

 

 

 

 



 Escrito por llenna às 22h33
[] [envie esta mensagem]



PÔR DO SOL EM BARCARENA


 Escrito por llenna às 22h29
[] [envie esta mensagem]



ILHA DE MARAJÓ

Praia do Pesqueiro
Foto: Paulo Jares



 Escrito por llenna às 21h51
[] [envie esta mensagem]



Belém

Aeroporto Internacional de Belém

BELÉM GANHA NOVO AEROPORTO, UM DOS MAIS MODERNOS DO PAÍS.

O Aeroporto Internacional de Belém, também conhecido como Aeroporto de Val-de-Cans, inaugurado em sua primeira etapa no dia 8 de outubro, já é um dos mais modernos do Brasil. Quando estiver completo, o terminal de passageiros terá 27,5 mil metros quadrados e capacidade para receber quase 3 milhões de passageiros por ano. As obras da segunda etapa do aeroporto serão concluídas em outubro de 2.000, com um investimento de R$ 17 milhões, sendo R$ 5 milhões do Governo do Estado e R$ 12 milhões da Empresa de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero). A primeira etapa da obra substituiu o antigo terminal de 9 mil metros quadrados por um novo, com 16.250 metros quadrados de uma arquitetura arrojada, com dois elevadores panorâmicos e seis comuns, central de água gelada, balcões de check-in informatizados, circuito fechado de TV, restaurantes, lojas comercIais e terraço panorâmico. A ampliação do Aeroporto Internacional de Belém consumiu um nvestimento de R$42 milhões - 40% oriundos do Governo do Estado e 60% do governo federal, através da Infraero. O novo aeroporto possui instalações para agências de turismo, representações das polícias Civil, Militar e Federal, Juizado de Menores, Receita Federal, ambulatório, consultório médico, enfermaria, embarque remoto doméstico e internacional, banco eletrônico, lojas, protect bag, loteria, farmácia, loja de frutos do mar, xerox, banheiros masculino e feminino, área de manuseio de bagagens, café, locadoras de automóveis, sala para malas extraviadas, alfândega, guarda-volumes, malex, free shop, alojamentos, serviços de táxi, hotelaria, custódia e imigração além de representações das secretarias de Saúde e Agricultura. No primeiro pavimento há restaurantes e fast foods, scoth bar, choperia, praça de alimentação, bancas de jornais e revistas, sorveteria, lojas, sala de espera para embarque doméstico e internacional, sala vip, banheiros masculino e feminino, fraldário, posto telefônico, loja de bijuterias, perfumarias, artesanato, cine/foto/som, duty free, free shop, loja de equipamentos importados, bazar, administração do aeroporto, terraço panorâmico, diversões eletrônicas, correios e engraxataria. O aeroporto também tem seis escadas rolantes, quatro esteiras de bagagens, seis pontes de embarque e desembarque climatizadas, 30 balcões de companhias aéreas e 81 terminais de vídeo para informações de vôo. A via de acesso ao aeroporto também é nova. A avenida Júlio César foi duplicada.



 Escrito por llenna às 21h47
[] [envie esta mensagem]



BELÉM DO PARÁ



 Escrito por llenna às 21h39
[] [envie esta mensagem]



 

TACACÁ


O tacacá não é considerado uma refeição. É uma espécie de bebida ou sopa, servida em cuias e vendida pelas "tacacazeiras", geralmente ao entardecer, na esquina das principais ruas das cidades paraenses, sobretudo Belém. Na hora de servir são misturados, na cuia, tucupi, goma de tapioca cozida, jambu e camarão seco. Pimenta-de-cheiro a gosto.

tacaca.jpg (13174 bytes)
Foto: Arquivo PARATUR

 

 

 



 Escrito por llenna às 21h28
[] [envie esta mensagem]



    

 

 

    



 Escrito por llenna às 21h24
[] [envie esta mensagem]



ILHA DO MOSQUEIRO

Ariramba

Baía do Sol




 Escrito por llenna às 21h22
[] [envie esta mensagem]





 Escrito por llenna às 21h21
[] [envie esta mensagem]



ILHA DO MOSQUEIRO

PRAIA DO CHAPÉU VIRADO



 Escrito por llenna às 21h20
[] [envie esta mensagem]



Belém

Belém, a capital do Pará, é parada obrigatória para quem vem conhecer o Norte do Brasil. A “Cidade das Mangueiras", como é conhecida carinhosamente, tem cerca de 1 milhão e 200 mil habitantes, clima quente e úmido o ano todo, além da famosa chuva da tarde que dá à cidade um charme especial. Como toda metrópole, Belém cresce apostando no futuro, sem perder as marcas do passado. De um lado, edifícios modernos, de arquitetura arrojada. De outro, a Cidade Velha, com seus casarios seculares e igrejas imponentes.

Ainda pode-se desfrutar dos distritos de Mosqueiro e Cotijuba, paraísos escondidos na paisagem urbana. Situada às margens da Baía de Guajará, Belém é o principal portão de entrada da região e está entre as dez cidades mais movimentadas e atraentes do Brasil. Tem a agitação das grandes cidades e ainda guarda as marcas de um passado rico e glorioso.


Costa Atlântica

Já na Costa Atlântica, há praias oceânicas, rios caudalosos e igarapés de água geladinha. Na Zona do Salgado, há belas praias de água salgada, como em Salinas, Marudá e Algodoal. Ou ainda Ajuruteua, em Bragança. Todas elas têm acesso fácil, graças a um sistema de rodovias de boa qualidade. A riqueza cultural nessa região chama a atenção. Em Marapanim, o ritmo tradicional vem das fortes batidas do carimbó; em Bragança, acontece a Marujada no mês de dezembro; em São Caetano de Odivelas, o Boi Tinga pede passagem todo mês de junho.

Na Costa Atlântica os municípios que compõem o pólo turístico são: Algodoal (distrito do município de Maracanã), Salinópolis, Vigía, Marapanim e Bragança. Em Salinópolis, o clima agradável, a beleza natural e um charme especial fazem de Salinas, como é conhecido, um dos mais concorridos balneários do Pará. É banhada pelo Oceano Atlântico, fazendo fronteira com os municípios de São João de Pirabas e Maracanã. Situa-se a 220 km de Belém.

Pólo Marajó

Foto: Elaide MartinsNa foz do Rio Amazonas encontramos o maior arquipélago flúvio-marítimo do mundo. Com quase 50 mil quilômetros quadrados, o Marajó abriga 12 municípios e é maior que vários países europeus. É um dos mais importantes santuários ecológicos do planeta e um pólo turístico de alternativas inesgotáveis. A exuberância da paisagem é formada por florestas, campinas, gramados, praias de rio, lagos de todos os tamanhos, furos e igarapés. Pássaros raros como o guará, jacarés, peixes e muitos outros compõem a fauna marajoara, formando um espetáculo de sons e cores imperdíveis.

A principal atividade econômica do Marajó é a criação de búfalos. Mas o artesanato também merece destaque. A preocupação com a preservação da cultura marajoara é flagrante na reprodução de peças de excepcional beleza. A culinária também é um ponto forte, especialmente por causa da variedade de peixes. Quando se vem ao Pará é impossível resistir a um passeio pelo Arquipélago do Marajó.

Os principais municípios desse pólo são Soure e Salvaterra que disputam o título de “capital do Marajó”. Em Salvaterra, destacam-se as belas praias, fazendas e campos, além da Vila de Joanes, uma autêntica vila de pescadores com praia e fartura de peixe o ano todo. Já em Soure, antiga aldeia dos índios Maruanazes, estão presentes em todo o município campos com fauna e flora típicas, as grandes fazendas de criação de búfalos e as praias, de aspecto primitivo, que atraem muitos visitantes, especialmente as Praia do Pesqueiro e Araruna.


Pólo Tapajós

Na região está um dos municípios mais bonitos do Pará: Santarém, que oferece uma variedade de atrações turísticas. Considerado o principal município do Tapajós, há a confluência com o maior rio em volume de água do mundo, o Rio Amazonas. A cidade vem da grande nação Indígena dos Tapajós. Lindas praias de águas esverdeadas, fazendas de búfalos, rios e lagos compõem o cenário. A pesca do Tucunaré é muito procurada no município.

No distrito de Alter-do-Chão, que está localizado a 30 km de Santarém, mas também faz parte do Plano de Desenvolvimento Turístico, acontece a Festa do Çairé, a maior expressão folclórica do Médio Amazonas. Além de Santarém, destacam-se ainda os municípios de Monte Alegre, Oriximiná, Óbidos e Alenquer,

Pólo Araguaia-Tocantins

Rios, florestas, animais, riquezas minerais e vegetais. A região sul do Estado tem uma paisagem singular. A região abriga expressivos depósitos minerais, que dão ao Pará a posição de um dos maiores exportadores de minério de ferro, ouro, bauxita e manganês do mundo. Tanta riqueza atraiu para a região grandes projetos, o que contribuiu para o desenvolvimento da região.

Lá estão localizados os municípios de Barcarena, Conceição do Araguaia, Marabá e Tucuruí, que fazem parte do plano desenvolvido pela Paratur. No município de Tucuruí, considerado o principal do Araguaia Tocantins, está a maior hidrelétrica genuinamente nacional do Brasil. A energia, que começa a se multiplicar em todo o Estado, atrai novos investimentos e visitantes também. As praias do Tocantins recebem milhares de turistas e o lago, formado pela Hidrelétrica, é o paraíso dos pescadores esportivos. O sul do Pará tem também o Projeto Carajás, a maior reserva mineral do mundo, que abriga um parque ecológico.

Pólo Xingu

O Pólo Xingu está representado no Plano de Desenvolvimento Turístico, da Paratur, por Altamira. Conhecido como o maior município do mundo, em termos de extensão, Altamira é daquelas cidades inesquecíveis: belas praias, uma rica história cultural, preservada pelos descendentes de índios e portugueses e ainda faz parte de uma das mais belas e preservadas regiões do Norte do Brasil.

Com dois mil quilômetros de extensão, o rio Xingu é um dos principais corredores da pesca esportiva no Pará (modalidade que cresce a cada ano em todo o país) e abriga um manancial paradisíaco de belos peixes. Cachoeiras, corredeiras e praias de água doce são abundantes e se transformam num grande atrativo aos moradores locais e aos programa de turismo ecológico nos finais de semana.



 Escrito por llenna às 21h17
[] [envie esta mensagem]



MUNICÍPIO DE BELÉM

       

Belém: Portal de entrada da Amazônia

Foto: Luiz Braga


Belém, capital do Pará. Chamada de Cidade Morena ou Cidade das Mangueiras, encanta algumas ruas com seus belos túneis de mangueiras. Uma metrópole localizada bem no coração da Amazônia e considerada o portão de entrada para a região.

O cenário urbano de Belém se confronta com os mistérios da floresta. Tipicamente amazônica, é desenhada por rios, igarapés e canais. Dois terços de seu território são formados por ilhas, 39 delas já identificadas e habitadas. As Ilhas das Onças, dos Papagaios, Combu e Arapiranga. por exemplo, são locais perfeitos para a prática do ecoturismo.

Uma das ilhas mais povoadas e conhecidas é Mosqueiro, com ondas do "mar" em águas de rio, um espetáculo que não existe igual em lugar nenhum do mundo. São 21 praias, que mesmo banhadas pelas águas da Baía do Guajará, recebem influência das marés. A Ilha do Amor, como também é conhecida, fica a menos de uma hora do centro de Belém e dispõe, ao mesmo tempo, tranqüilidade ou agitação, dependendo da praia ou da ocasião.

Foto: Luiz BragaE não é só isso. Belém oferece aos visitantes a arte marajoara e tapajônica, em Icoaraci, o distrito conhecido por Vila Sorriso; tem também outras praias de rio, algumas ainda selvagens, como as da Ilha de Cotijuba; um patrimônio histórico riquíssimo, com teatros, museus e belas igrejas. 

Além disso, tem o Círio de Nazaré, a maior festa religiosa do país, que acontece há mais de 200 anos no segundo domingo de outubro e reúne cerca de um milhão e meio de pessoas. Gente que vem de todos os cantos e que, depois da procissão, participa de uma ceia farta de comidas típicas paraenses e doces saborosos com frutos regionais, como o açaí, o bacuri e o cupuaçu.

Foto: Paula SampaioA cidade também é famosa pelo calor escaldante, pelo sorvete no meio da tarde e pelo namoro depois da chuva. E à noite, não faltam opções. Os restaurantes, bares e boates estão sempre lotados, comprovando o lado boêmio dos belemenses. Aliás, seja de dia ou de noite, a cidade sempre tem seu charme e uma alternativa de lazer, seus mistérios, belezas e encantos, sendo possível desfrutar da harmonia entre a vida cabocla e a agitação de uma capital com 1,5 milhão de habitantes.



 Escrito por llenna às 21h14
[] [envie esta mensagem]



Igrejas

Basílica de Nazaré - construída em 1774, como capela, foi a partir de 1908 que começou a construção da Basílica. O seu interior, todo em mármore, segue o modelo da Basílica de São Paulo, em Roma.

Catedral Metropolitana de Belém - Conhecida como Igreja da Sé, foi construída em 1755, pelo arquiteto Antônio Landi, em estilo barroco-colonial e neoclássico. Nela destacam-se os painéis pintados e ricamente emoldurados nos altares, substituindo as imagens tradicionais.

Igreja de Santo Alexandre - construída no século XVII, é considerada a mais barroca de nossas igrejas. Ela faz parte de um conjunto arquitetônico que inclui o antigo Convento dos Jesuítas.

Igreja do Carmo - Erguida no século XVII, foi reconstruída em 1716. Foi abrigo das tropas legalistas na revolta dos cabanos, fuzilados pelo povo no seu átrio.

Igreja das Mercês - faz parte de um conjunto arquitetônico que inclui o Convento dos Mercedários e a antiga Alfândega. O seu traçado original é do século XVII, mas a restauração de Landi fez substanciais alterações.

Igreja de Santana - Outro projeto de Landi em estilo renascentista , cujo o seu corpo foi enterrado em sua nave.

Capela de São João Batista - Outro projeto do arquiteto Landi no final do século XVIII, foi considerado pelo antigo diretor do Museu do Louvre, Germain Bazin, como uma jóia de arquitetura barroca.

Museus

Museu Paraense Emílio Goeldi - Reconhecido mundialmente como um dos mais importantes institutos de investigação cientifica da Amazônia. Dedicado ao estudo da flora, da fauna e do homem amazônico e do seu ambiente físico, possui um parque zoobotânico com mais de 1.500 espécie amazônicas, 1.500 amostras de plantas, 1.600 exemplares de frutos, 700 espécie de madeiras, um aquário com espécies raras dos rios amazônicos e ainda uma exposição permanente com objectos etnográficos de vários povos indígenas da Amazônia.

Museu do Círio - Expõe peças e documentos do maior evento religioso do Brasil.

Museu de Artes de Belém - Localizado no Palácio Antônio Lemos, possui um acervo eclético de móveis e adornos, na sua maioria exemplares do século XIX e princípios do século XX.

Museu de Arte Sacra - localizado no conjunto arquitetônico daIgreja deSanto Alexandre e o convento dos Jesuítas, prédio restaurado e adaptado para função de museu, considerado um dos mais belo museu de arte sacra do Brasil, por suas peças originárias do espólio dos jesuítas e mais 200 peças adquiridas pelo governo do Estado, e pelo próprio prédio do Século XVII que o abriga.



 Escrito por llenna às 21h11
[] [envie esta mensagem]



Galerias de Arte

Theodoro Braga - Av. Gentil Bitencourt, 650, CENTUR

Galeria Augusto Fidanza - Praça Frei Caetano Brandão, Museu de Arte Sacra

ELF - Av. Generalissimo Deodoro, 560 - Umarizal

Debret - Rua Acipreste Manoel Teodoro, 630, Batista Campos



Prédios Públicos

Teatro da Paz - Considerado um dos mais bonitos do Brasil, construído em1868, em estilo neoclássico, é o mais antigo da região, possui o mais amplo foyer dos teatros da época, nele apresentaram grandes companhias de ópera europeias. Nele foi apresentado a ópera "O Guarany" regida pelo maestro Carlos Gomes quando vivia em Belém, as ruas que circundavam o teatro eram feitas de paralelepípedos revestido de borracha, para amenizar o barulho das rodas das charretes.

Palacete Bolonha - Construído com material importado da Europa no inicio do século XX pelo arquiteto Francisco Bolonha, faz parte de um conjunto arquitetônico que inclui uma vila de casas no mesmo estilo, é um exemplar de requinte daqueles que enriqueceram com o comercio da borracha. Hoje, abriga o Museu da Medicina e uma associação de médicos.

Palácio Lauro Sodré - Projeto do arquiteto Landi em estilo neoclássico,foi inaugurado em 1771, no inicio dos anos 90, foi restaurado e transformado em Museu do Estado, foi considerado o palácio mais ambicioso, em tamanho e decoração, construído durante o período colonial brasileiro.

Forte do Castelo - Marco da fundação de Belém, foi a primeira construção da cidade, em 1616. Foi a base maior das operações de conquista da Amazônia. Os velhos canhões ainda se encontram no local, uma das melhores vistas da Baía do Guajará.

Palácio Antonio Lemos - De estilo neoclássico, é um exemplar da arquitetura da segunda metade do século XIX , construído para ser a sede da Intendência Municipal, é mais conhecido como o Palacete Azul, abriga atualmente o gabinete do Prefeito Municipal e o Museu de Arte de Belém.

Planetário Sebastião Sodré da Gama - Inaugurado em 1998, é o primeiro de toda Região Norte, e considerado um dos mais modernos do país, com equipamentos vindo direto da Alemanha. Reproduz em sua cúpula 88 constelações, 7.000 estrelas, planetas, cometas, etc...



 Escrito por llenna às 21h10
[] [envie esta mensagem]



Praças


Praça da República - Um dos pontos mais bonito da cidade, ganha vida e magia com suas exuberantes mangueiras, que formam extenso túnel de grande beleza plástica. Na época colonial existia ali um deposito de pólvora, por isso, ainda e chamado pelos mais saudosos como Largo da Pólvora.

Praça Batista Campos - Uma das mais bela praça de Belém, no estilo "belle époque", com coretos de ferro, lagos, pontes, um pequeno castelo de pedra e uma gruta, criada durante o ciclo da borracha, situa-se no centro da cidade, numa das regiões mais valorizada de Belém.

Bosque Rodrigues Alves - Um bosque secular, preserva mais de 2.500 espécies de árvores nativas, um orquidário e um lago. Localizada entre as avenidas mais movimentadas da cidade, chama a atenção por suas grandiosas árvores, foi inspirado no "Bois de Boulogne" em Paris.

Parque da Residência - Antiga casa do Governador do Estado, hoje abriga um dos mais novo espaço de lazer da cidade, possui uma excelente infraestrutura para receber os visitantes, com praças, restaurante, teatro, anfiteatro, galeria de arte, um orquidário e o antigo vagão de trem do governador que foi transformada em uma sorveteria regional, veja turismo.



 Escrito por llenna às 21h09
[] [envie esta mensagem]



Trip to Brasil - Belem (1999-2000) / Basilica de Nazare
Jonathan Fernsler

06-Belem--Basilica-de-Nazare


 Escrito por llenna às 20h55
[] [envie esta mensagem]



a maior procissão religiosa do mundo.
Momento de fé que leva às lágrimas quem participa.
 
 
 
A berlinda que conduz a imagem de Nossa Senhora de Nazaré, envolvida por milhões de fiéis.

 
 

7hs, 2º domingo de outubro
, a berlinda sai da Catedral de Belém em direção à Basílica de Nazaré: começa o Círio.
 
 
 
É obrigatório ir  na corda descalço. Abaixo, detalhe dos pés dos penitentes.
 
 
  Penitentes pagam promessas carregando pedras
e outros objetos sobre a cabeça.
 
Segurar a corda em volta da berlinda é o centro da penitência no Círio.

 
 
 
  Um "mar" de 2 milhões de fiéis conduzem a Virgem de Nazaré pelas ruas de Belém.  
 
Uma infindável massa humana não limita sacrifícios para chegar junto à berlinda.
 
 
 
 
Várias horas antes, uma multidão já se comprime e aguarda a chegada do Círio na Basílica.


 Escrito por llenna às 20h53
[] [envie esta mensagem]



 
 
.
Após 4 horas de caminhada e fé, o Círio chega à Praça Santuário, na Basílica.
 
 
 
 
  Segue- se a missa campal com a participação de uma massa humana incansável pela força da fé.
0
Termina a missa. A multidão de romeiros recebe a benção da Virgem de Nazaré e a emoção se perpetua em cada coração peregrino.  
 
 
 
A festividade do Círio tem a duração de 15 dias, com permanentes atos religiosos e atividades culturais e de lazer.

Ao lado, vista noturna das festividades do Círio.
 
 
 
 
 
 
 
 
   
 


 Escrito por llenna às 20h48
[] [envie esta mensagem]



 

Constituição do Estado do Pará - formato pdf - Tamanho 316 Kb

 

Leis Complementares 1995-2002 - formato pdf - Tamanho 316 Kb

 

Atenção! Se você não possui o programa para ler arquivos .PDF Clique aqui ou na figura à esquerda.

 



 Escrito por llenna às 16h05
[] [envie esta mensagem]



Cidade das Mangueiras

Av. Gov. José Malcher no Início de século passadoA necessidade de arborizar cidades é notória, principalmente em cidades da zona equatorial, onde a incidência de radiação solar é bastante elevada, em Belém, de meados século XIX iniciou-se o plantio de mangueiras para esta finalidade, fotos de postais da fase áurea da borracha, mostram como eram os principais corredores da cidade com os seus "túneis de mangueiras".Av. Portugal

Quem mora em Belém, pelo menos nas áreas mais centrais, está muito acostumado a vê-las e a juntar mangas na rua, depois da chuva o de uma ventania qualquer - gesto tão característico dessa gente que também teme "levar uma doída mangada". Quem de nós ainda não deu aquele suspiro de alívio ao ver um fruto cair bem pertinho, causando um baita susto, ou teve a lataria do carro amassada e o pára-brisa quebrado por um deles? Amasso de manga nem chega a ser causa de desvalorização do veículo na hora da venda, aqui, de tão comum.

Túnel de mangueiras na Praça da RepúblicaTriste é quando, em vez da manga, o que cai é a própria mangueira. Algumas centenárias representantes da espécie acabam por tombar, por motivos diversos, que vão desde a sua velhice a atos de vandalismo, passando, na nossa opinião, pelas podas e maus-tratos. Muitas vezes já tentamos, em conversas com técnicos do serviço público, entender as verdadeiras deformações que sofrem essas árvores por ocasião de serviços de manutenção da rede elétrica, telefônica e de esgotos, sem chegar a uma compreensão do fato. Já até recebemos a explicação que a culpa é de quem escolheu as mangueiras para arborizar a cidade, visto que não são adequadas para isso. Será mesmo? Bem que gostaríamos de ver os bairros da periferia cheios de mangueiras, justificando o apelido da cidade. Coisa de saudosistas, talvez, alguns diriam. Pelo menos não teríamos ruas áridas, sedentas de verde, em plena Amazônia.Teatro da Paz

As mangueiras são tão familiares para os belenenses, que até esquecemos sua origem asiática. Aqui chegaram, por volta de 1700, via Nordeste, trazidas pelos portugueses, depois de descobertas as rotas marítimas entre a Europa e a Ásia. A espécie possui excelente produtividade, que abastece o mercado interno e também faz parte dos itens destinados à exportação. Bem adaptadas ao clima brasileiro, foi possível a produção de inúmeras variedades, encontradas em grande diversidade de forma, peso, sabor e cor, que vai do verde ao vermelho intenso. Há, inclusive, mangas sem fiapos, produzidas a partir do cruzamento de variedades indianas e americanas, com vantagens em termos de peso, coloração e resistência às pragas. Alberto Carlos de Queiroz Pinto, pesquisador da Embrapa-Cerrado, desenvolveu duas novas variedades desse tipo de manga, totalmente sem fiapos: ROXA (Amrapali + Tommy Atkins) e ALFA (Mallika + Van Dyke).

MangueiraDa família das Anacardiáceas, o nome científico da mangueira é Mangifera indica. Deve ser plantada em sol pleno e em terreno não muito argiloso, com pH 5 ou 6. De clima tropical, essa frondosa árvore fornece sombra abundante e frutifica durante os meses de outubro a fevereiro, com uma produção que oscila entre 500 e 2.000 frutos ao ano.

A propagação da mangueira é mais comum por enxertia. Corta-se a ponta do "cavalo" e da estaca da manga escolhida para propagação, em forma de bisel (obliquamente). Juntam-se e amarram-se as duas partes, encaixadas uma na outra, com uma fita plástica própria para a enxertia e envolve-se essa parte da muda com um saquinho plástico transparente. São necessários pelo menos 10 m, entre cada muda, pois essa frutífera pode chegar a 30 m de altura e sua copa a 20 m de diâmetro.

Na hora do plantio, convém incorporar ao solo uma mistura de 15 l a 20 l de esterco de curral bem curtido, 500 g de superfosfatoMangas simples e 100 g de cloreto de potássio. No primeiro ano do plantio, logo após o pegamento da muda, deve-se fazer uma manutenção com 55 g de uréia e 35 g de cloreto de potássio. A partir do segundo ano, pode-se fazer duas adubações anuais (no início e no final do período das chuvas) com 65 g de uréia, 200 g de superfosfato simples e 65 g de cloreto de potássio.

Todas as variedades são boas para o preparo de doces, geléias, sucos, saladas, sorvetes e outras tantas delícias, entre elas o apreciado mango chutney, utilizado para acompanhar assados, que leva polpa de manga verde cozida e temperada com gengibre, especiarias, vinagre, pimenta e sal. Este molho, hoje industrializado, pode ser facilmente encontrado nos supermercados. Ele passou a fazer parte da nossa mesa por influência dos ingleses que aqui viveram, na fase áurea da borracha.



 Escrito por llenna às 13h34
[] [envie esta mensagem]



                                

 

TENHO ORGULHO DE SER BRASILEIRA POR VARIOS MOTIVOS ENTRE ELES POR SER UM PAÍS LINDO COM UMA BANDEIRA LINDA E COM UM POVO GUERREIRO BATALHADOR E ALEGRE ESSE É O BRASIL.



 Escrito por llenna às 13h33
[] [envie esta mensagem]



A fundação da cidade de Belém data de 1616, quando foi construído o Fortim Presépio, ao redor do qual surgiu o núcleo que mais tarde se transformou na cidade de Santa Maria de Belém do Grão Pará.

Localizada em plena faixa equatorial, junto à Baia de Marajó e ao Rio Pará, tendo ao sul o Rio Guamá e a oeste a Baia de Guajará, está assentada sobre terraços cujas altitudes variam de 7 a 14 metros.

Um dos marcos da cidade é o mercado Ver-o-Peso onde centenas de barcos aportam, oferecendo seus produtos, incluindo as deliciosas frutas, peixes, comidas típicas e artesanato.

Suas construções históricas merecem ser visitadas, dentre elas, o Teatro da Paz. As Igrejas são belíssimas, merecendo destaque a Igreja das Mercês, do século XVII e a Basílica de Nossa Senhora de Nazaré, onde anualmente termina a grande procissão do Círio de Nazaré

Lembre de visitar o Museu Emílio Goeldi, ativo centro de pesquisa sobre a fauna, flora, etnologia e geologia regional, que possui a maior coleção de plantas tropicais do mundo, um jardim zoo-botânico, excelente biblioteca, e uma rica coleção de cerâmicas e objetos Marajoara.

Belém é uma cidade de traçado diferente, com ruas arborizadas, praças e parques.

Poderão ser visitados, ainda, próximas de Belém, a Vila de Icoaraci e a Ilha do Mosqueiro.

Como um dos Portões de Entrada da Região Norte, é servida regularmente por vôos dos Estados Unidos, da América Latina e principais cidades do Brasil.

Os visitantes encontram grande variedade de hotéis e restaurantes que apresentam lindamente a comida típica do Pará.

 




 Escrito por llenna às 02h17
[] [envie esta mensagem]



Ilhas de Belém

         A cidade de Belém, cujo território inclui dezenas de ilhas, é a área de observação e estudo privilegiado no projeto. As ilhas do entorno de Belém, mundo rural com tradição centenária no abastecimento agro-extrativo da cidade, representam também esse espaço imaginário do lúdico urbano, do lazer e do turismo. Diversos setores produtivos desenvolvem-se nesse hinterland, a exemplo da madeira, minério, frutos, turismo, transporte, agricultura, extrativismo, mas sem os devidos cuidados de avaliação de impactos e de gestão dos recursos.

Cidade de Belém

Orla de Belém

Ilha de Cotijuba

Ilha de Cotijuba

Ilha de Cotijuba



 Escrito por llenna às 02h16
[] [envie esta mensagem]



 ESSA É A B

Hino Oficial do Estado do Pará
Clique aqui para ouvir ou fazer o download
do arquivo, em format ".MP3"

LETRA: ARTHUR PORTO
MÚSICA: NICOLINO MILANO
ADAPTAÇÃO E ARRANJO: GAMA MALCHER

Salve, ó terra de ricas florestas,
Fecundadas ao sol do equador !
Teu destino é viver entre festas,
Do progresso, da paz e do amor!
Salve, ó terra de ricas florestas,
Fecundadas ao sol do equador!
Estribilho

Ó Pará, quanto orgulha ser filho,
De um colosso, tão belo, e tão forte;
Juncaremos de flores teu trilho,
Do Brasil, sentinela do Norte.
E a deixar de manter esse brilho,
Preferimos, mil vezes, a morte!

Salve, ó terra de rios gigantes,
D'Amazônia, princesa louçã!
Tudo em ti são encantos vibrantes,
Desde a indústria à rudeza pagã,
Salve, ó terra de rios gigantes,
D'Amazônia, princesa louçã !

ELA BANDEIRA DO MEU ESTADO

 Escrito por llenna às 02h11
[] [envie esta mensagem]



 

Hino Nacional Brasileiro ( O Mais Bonito do Mundo)


Letra: Osório Duque Estrada
Música: Francisco Manuel da Silva

PARTE I

Ouviram do Ipiranga às margens plácidas
De um povo heróico o brado retumbante,
E o sol da liberdade, em raios fúlgidos,
Brilhou no céu da pátria nesse instante.

Se o penhor dessa igualdade
Conseguimos conquistar com braço forte,
Em teu seio, ó liberdade,
Desafia o nosso peito a própria morte!

Ó pátria amada,
Idolatrada
Salve! Salve!

Brasil, um sonho intenso, um raio vívido
De amor e de esperança à terra desce,
Se em teu formoso céu risonho e límpido,
A imagem do cruzeiro resplandesce

Gigante pela própria natureza,
És belo, és forte impávido colosso.
E o teu futuro espelha essa grandeza.

Terra adorada.
Entre outras mil,
És tu Brasil,
Ó pátria amada!

Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada, Brasil!


PARTE II

Deitado eternamente em berço esplêndido,
Ao som do mar e à luz do céu profundo,
Fulguras, ó Brasil, florão da América,
Iluminando ao sol do Novo Mundo!

Do que a terra mais garrida
Teus risonhos, lindos campos têm mais flores,
"Nossos bosques têm mais vida",
"Nossa vida" no teu seio "mais amores"

Ó pátria amada,
Idolatrada,
Salve! Salve!

Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estralado,
E diga o verde-louro desta flâmula
- Paz no futuro e glória no passado.

Mas, se ergues da justiça a clava forte,
Verás que um filho teu não foge à luta,
Nem teme quem te adora, a própria morte.

Terra adorada.
Entre outras mil,
És tu Brasil,
Ó pátria amada!

Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada, Brasil!


 Escrito por llenna às 02h05
[] [envie esta mensagem]



videos.gif (2267 bytes)

Os vídeos disponíveis nesta seção, estão em baixa resolução para visualização "on line" utilizando modens de mercado (28,8 kbps e 56,6 kbps). Foi empregada a tecnologia de streaming media da Microsoft.

Para visualizá-lo, você poderá fazer download do software Windows Media - Versão Português ( 2.073 KB  |  17 Min a 28,8    |  Versão 6.4).

Para visualização com melhor resolução, você poderá utilizar a opção
de  DOWNLOAD, onde os vídeos estão disponíveis no formato
MPEG em melhor resolução.

BELÉM
ico_bel.jpg (16487 bytes)
Vídeo-Digital Produções

video28.gif (2278 bytes)

video56.gif (2259 bytes)

MARAJÓ
ico_mara.jpg (17812 bytes)
Vídeo-Digital Produções

video28.gif (2278 bytes)

video56.gif (2259 bytes)

SANTARÉM
ico_tapa.jpg (14264 bytes)
Vídeo-Digital Produções

video28.gif (2278 bytes)

video56.gif (2259 bytes)

SUL DO PARÁ
ico_cara.jpg (17224 bytes)
Vídeo-Digital Produções

video28.gif (2278 bytes)

video56.gif (2259 bytes)



 Escrito por llenna às 01h53
[] [envie esta mensagem]



 


Belém e Ilha do Marajó - PA

Ecológico

O arquipélago do Marajó localizado na foz do Rio Amazonas é banhado pelo Oceano Atlântico e fica ao norte de Belém. A Ilha do Marajó – sua principal ilha - é considerada como a maior ilha fluvio-marítima do mundo e ocupa uma área de 50 mil km quadrados. E em toda sua extensão as atrações são quase infinitas: uma variada fauna e flora formam um verdadeiro zoológico ao céu aberto, as fazendas com criações de búfalo e do cavalo marajoara além de uma rica cultura.



 Escrito por llenna às 01h45
[] [envie esta mensagem]



 

 

 

 



 Escrito por llenna às 01h38
[] [envie esta mensagem]



A fundação da cidade de Belém data de 1616, quando foi construído o Fortim Presépio, ao redor do qual surgiu o núcleo que mais tarde se transformou na cidade de Santa Maria de Belém do Grão Pará.

Localizada em plena faixa equatorial, junto à Baia de Marajó e ao Rio Pará, tendo ao sul o Rio Guamá e a oeste a Baia de Guajará, está assentada sobre terraços cujas altitudes variam de 7 a 14 metros.

Um dos marcos da cidade é o mercado Ver-o-Peso onde centenas de barcos aportam, oferecendo seus produtos, incluindo as deliciosas frutas, peixes, comidas típicas e artesanato.

Suas construções históricas merecem ser visitadas, dentre elas, o Teatro da Paz. As Igrejas são belíssimas, merecendo destaque a Igreja das Mercês, do século XVII e a Basílica de Nossa Senhora de Nazaré, onde anualmente termina a grande procissão do Círio de Nazaré

Lembre de visitar o Museu Emílio Goeldi, ativo centro de pesquisa sobre a fauna, flora, etnologia e geologia regional, que possui a maior coleção de plantas tropicais do mundo, um jardim zoo-botânico, excelente biblioteca, e uma rica coleção de cerâmicas e objetos Marajoara.

Belém é uma cidade de traçado diferente, com ruas arborizadas, praças e parques.

Poderão ser visitados, ainda, próximas de Belém, a Vila de Icoaraci e a Ilha do Mosqueiro.

Como um dos Portões de Entrada da Região Norte, é servida regularmente por vôos dos Estados Unidos, da América Latina e principais cidades do Brasil.

Os visitantes encontram grande variedade de hotéis e restaurantes que apresentam lindamente a comida típica do Pará.

 



 Escrito por llenna às 00h55
[] [envie esta mensagem]



A berlinda encaminha-se para o altar da praça santuário para a realização da missa de encerramento da procissão.

 



 Escrito por llenna às 00h44
[] [envie esta mensagem]



MILHARES DE PESSOAS SE REUNEM EM UMA SÓ FÉ



 Escrito por llenna às 00h41
[] [envie esta mensagem]



Sob o túnel de mangueiras, característica de Belém, a multidão de devotos acompanha a berlinda de Nossa Senhora de Nazaré.

Um fenômeno social espantoso que se observa no segundo domingo de outubro com o reencontro da multidão, nas ruas, e das famílias católicas, em suas residências para o "Almoço do Círio"

O centro da procissão é a berlinda que traz a pequenina imagem de Nossa



 Escrito por llenna às 00h40
[] [envie esta mensagem]



OLHA GENTE QUE COISA MAIS LINDA



 Escrito por llenna às 00h39
[] [envie esta mensagem]



Para os paraenses, o Círio é como o Natal e a ceia do Círio é um dos momentos mais aguardados da festividade. É quando as famílias se reunem para celebrar a fé em Nossa Senhora de Nazaré.

Os pratos tradicionais da ceia do Círio e, também, os mais apreciados pelos paraenses são: o pato no tucupi e a maniçoba. Comidas genuinamente paraenses, feitas com produtos regionais e usados pela culinária indígena.

:: MANIÇOBA
O preparo da maniçoba requer cuidados especiais. Ela é feita a partir da maniva (folha extraída da mandioca) moída, que deve ser cozida no mínimo por 5 dias antes de chegar à mesa. Isto porque a maniva possui o ácido cianídrico, que se ingerido in natura pode levar à morte por intoxicação. A fervura acontece até que a massa verde fique quase preta. Os igredientes da maniçoba são quase os mesmos da feijoada.

:: PATO NO TUCUPI
O pato no tucupi também tem suas peculiaridades. Os igredientes principais deste prato são o tucupí e o jambu. A farinha de mandioca e a pimenta de cheiro são os acompanhamentos a parte que não faltam na mesa dos paraenses.
O tucupí, o ingrediente mais conhecido, é um caldo extraído da mandioca (tipo de raiz), considerado venenoso se ingerido crú, porém, fervido e temperado, dá um sabor especial.



 Escrito por llenna às 00h33
[] [envie esta mensagem]



Transladação
Arcos pelas ruas de Belém.
Procissão do Círio
Santa na Berlinda
fotos: Elvira Ferreira

Todos os anos, Belém realiza a sua festa máxima, o Círio de Nazaré, que se realiza no segundo domingo do mês de outubro, festa que para o paraense é considerada mais importante que o próprio natal. As comemorações antecedem a data e continuam por mais quinze dias, com novenas, missas e manifestações culturais e profanos. É talvez a melhor época para se conhecer a cidade, para conhecer a peculiar cozinha paraense de tantos pratos exóticos, como o pato no tucupí e a maniçoba.

O Círio de Nazaré, e considerada a maior festa católica do mundo, onde centenas de milhares de pessoas formam um mar de fé em procissão, é um espetáculo tão impressionante, que emociona ao ver a santa passar, onde os fiéis chegam a lacrimejar numa emoção tão profunda.
A cada ano, a procissão vem arrebanhando um numero cada vês maior de romeiros, vindo de todos os estados do Brasil e do Exterior.

 

História do Círio

No ano de 1700, o caboclo Plácido José de Souza, andando pela floresta nas proximidades de Belém a beira de um igarapé, encontrou a imagem de Nossa Senhora de Nazaré e a levou para casa.

No dia seguinte, a imagem havia sumido e ninguém sabia do paradeiro da imagem, Plácido voltando a passar pelo local aonde tinha achado a imagem, voltou a reencontrada de novo a margem do igarapé Murutucu entres as pedras no mesmo local achada antes , voltando a acontecer repetidas vezes.

O Governador impressionado com o acontecimento, mandou buscar a imagem para o palácio do Governo, e mandou a guarda ficar em total vigilância. De nada adiantou, na manhã seguinte a imagem havia desaparecido. Os devotos achavam que ela queria ficar a margem do igarapé, pois é considerada a padroeira dos pescadores portugueses, lá construíram um ermita onde hoje se encontra a Basílica de Nazaré.

Com o tempo os milagres foram crescendo, levando milhares de fiéis com seus agradecimentos, no ano de 1793 o governador da Província Francisco de Souza Coutinho, para pagar uma promessa da melhora de sua doença, levou a imagem para capela do palácio do Governo e no dia seguinte o povo levava de volta para sua ermita, dando assim o início do primeiro Círio.

Quase oitenta anos depois, a baía do Guajará transbordou , vindo a atolar o carro de boi que transportava a berlinda com a imagem da Santa, e um devoto resolveu passar uma corda pelo carro e puxa-lo. Em 1868 a corda foi oficializada, e hoje é considerada como um dos maiores símbolos do Círio de Nazaré, agarrados a ela os fiéis pagam as suas promessas, alguns dizem, no ditado popular, que para puxar a corda tem que ter aquilo roxo

Curiosidade

No topo da Basílica de Nazaré existe uma pintura na sua faixada, aonde tem representados todas as personalidades da época da construção da Basílica. As autoridades foram desenhados substituindo personagens como bandeirantes, cleros, caçadores, soldados e capitões, com trajes característicos de quando foi encontraram a Santa. O curioso é que dois ricos senhores que ajudaram com doações não tinham um personagem para representa-los no desenho, eles foram introduzidos na paisagem com terno e gravata. Então, toda vez que você for em Nazaré, de uma olhada na faixada no canto direito da paisagem para encontra-los.

Veja mais sobre o Círio

Programação 2003


Missa do Mandato
29/08
20:00
Basílica de Nazaré

Vigília de Adoração (início)
08/10
14:00
Auditório D.Vicente Zico

Abertura do Círio
09/10
20:00
Barraca da Santa

Vigília de Adoração(final)
10/10
12:45
Auditório D.Vicente Zico

Romaria p/ Ananindeua
10/10
13:00
Basílica de Nazaré (saída)

Romaria Rodoviária
11/10
06:00
Igreja Matriz de Ananindeua

Romaria Fluvial
11/10
09:00
Trapiche de Icoaraci

Romaria dos Motoqueiros
11/10
11:00
Praça Pedro Teixeira

Descida da Imagem
11/10
12:00
Basílica de Nazaré

Missa e Trasladação
11/10
17:00
Colégio Gentil Bittencourt

Missa do Círio
12/10
06:00
Catedral da Sé

Círio
12/10
07:00
Catedral da Sé

Romaria das Crianças
19/10
08:30
Praça Santuário

Romaria da Juventude

25/10
18:00
Comunidade São Brás (saída)

Procissão da Festa
26/10
08:00
Praça Santuário

Missa Encerramento
26/10
20:00
Praça Santuário

Subida da Imagem
27/10
06:00
Basílica de Nazaré

Missa do Recírio
27/10
06:30
Praça Santuário

Incineração das Súplicas
27/10
06:30
Praça Santuário

Recírio
Inicia com missa na Praça Santuário. A procissão leva de volta ao colégio Gentil a imagem da Santa.
27/10
07:30
Praça Santuário



 Escrito por llenna às 00h33
[] [envie esta mensagem]



UM PEDAÇO DA CIDADE OLHADA POR POR CIMA



 Escrito por llenna às 00h30
[] [envie esta mensagem]



O Ecoturismo é uma atividade que tem como fundamento a conservação do meio ambiente, dos ecossistemas, e pode e deve aproveitar a mão de obra local para o desenvolvimento de diversas atividades, criando assim diretamente emprego e renda para as populações locais, e indiretamente para as populações das cidades. Pela sua natureza, de forte atração de turistas nacionais e estrangeiros, é um exportador de serviços e importador de divisas. Faz entrar dinheiro externo na região, o que significa uma fonte importante para a ativação geral da economia.

Belém é o principal ponto turístico do Pará, dispondo de vários lugares para serem apreciados pelos viajantes e aventureiros.

POSTOS DE INFORMAÇÕES TURÍSTICAS

A Companhia de Turismo de Belém possui cinco Postos de Informações Turísticas -PIT's, que prestam orientações aos turistas e a população em geral sobre os serviços oferecidos pela Prefeitura de Belém. Estão instalados nos seguintes locais: 

*SEDE DA BELEMTUR - loja de souvenirs
Av.José Malcher, esquina da Rui Barbosa- tel:242.0900/0033

*AEROPORTO INTERNACIONAL DE VAL DE CÃES
tel: 210.6272

*MERCADO DE SÃO BRÁS
tel: 249.9190

*TERMINAL FLUVIAL PRAÇA PRINCESA ISABEL
tel: 249.6250

*SOLAR DA BEIRA - Mercado do Ver-o-Peso
tel: 212.8484



 Escrito por llenna às 00h29
[] [envie esta mensagem]



PRAÇA BATISTA CAMPOS



 Escrito por llenna às 00h21
[] [envie esta mensagem]



BOSQUE RODRIGUES ALVES, UM PEDAÇO DA AMAZONIA DENTRO DA CIDADE DE BELÉM



 Escrito por llenna às 00h19
[] [envie esta mensagem]



FORTE DO CASTELO



 Escrito por llenna às 00h18
[] [envie esta mensagem]



PRAÇA DO PESCADOR



 Escrito por llenna às 00h17
[] [envie esta mensagem]



IGREJA SANTO ALEXANDRE



 Escrito por llenna às 00h14
[] [envie esta mensagem]



TEATRO DA PAZ POR DENTRO



 Escrito por llenna às 00h13
[] [envie esta mensagem]



TEATRO DA PAZ POR FORA



 Escrito por llenna às 00h10
[] [envie esta mensagem]



[ ver mensagens anteriores ]





Meu perfil
BRASIL, Norte, BELEM, Mulher, Livros, Viagens
MSN -



 


Histórico
15/08/2004 a 21/08/2004


Votação
Dê uma nota para meu blog


Outros sites
UOL - O melhor conteúdo
BOL - E-mail grátis
LinkinPark