Escrito por llenna às 04h52
[] [envie esta mensagem]



 

OI! MEU NOME É LENA, ESPERO QUE VC GOSTE DO BLOG, POIS FOI FEITO COM MUITO CARINHO PARA VC. NUNCA TINHA FEITO UM BLOG, E QUANDO RESOLVI FAZER NÃO PENSEI DUAS VEZES FIZ JUSTAMENTE DA CIDADE ONDE MORO PARA QUE VC POSSA CONHECER UM POUCO DESSA MARAVILHA CHAMADA BELÉM-PARÁ-BRASIL.

                                                         



 Escrito por llenna às 01h10
[] [envie esta mensagem]



Algumas Fotos da Terrinha)

  História

Capital do segundo maior Estado do Brasil, o Pará, Belém tem 383 anos e é uma cidade referencial na Amazônia. Conhecida por realizar há mais de 200 anos uma das maiores festas religiosas do País, o Círio de Nossa Senhora de Nazaré, que ocorre no segundo domingo do mês de outubro, Belém está localizada a aproximadamente 160 quilômetros da linha do Equador, e está às margens da baía do Guajará e do rio Guamá. Mais da metade de sua área de 718 quilômetros quadrados é formada por ilhas. A população possui características étnicas que misturam o índio, o negro e o branco europeu. De acordo com dados do IBGE, em 1996 a população da Grande Belém era de aproximadamente 1,6 milhões de habitantes.

O clima em Belém é quente e úmido, influência direta da floresta amazônica, onde as chuvas são constantes. As incontáveis mangueiras existentes nas ruas da cidade - daí o título de Cidade das Mangueiras - ajudam a amenizar o calor, principalmente nos meses mais quentes de julho a novembro quando a temperatura pode chegar a 38 graus. Além de aliviar o calor, as mangueiras ornamentam a cidade e fazem a delícia dos amantes da manga, já que em janeiro e fevereiro, época da safra, Belém é inundada pelo fruto.

A culinária paraense é uma das mais típicas e diversificadas do Brasil, não só pela clara influência indígena, mas também pela variedade de peixes e frutas existente na região e que emprestam exotismo e sofisticação aos pratos.

O bairro da Cidade Velha é o mais antigo de Belém. Foi a partir dele que surgiu a cidade, fundada em 12 de janeiro de 1616 pelo explorador português Francisco Caldeira Castello Branco, que desembarcou na região comandando uma missão religiosa e militar com o objetivo de conquistar uma importante área: a foz do Rio Amazonas. No bairro pode-se encontrar rico patrimônio arquitetônico composto de casarões, palacetes e igrejas em estilo neoclássico, herança da era da borracha, época de grandes mudanças no perfil urbano e social da cidade. Na Cidade Velha estão localizados grande parte dos pontos turísticos de Belém: Forte do Castelo, Mercado do Ver-O-Peso, Igreja da Sé, Conjunto Arquitetônico Feliz Lusitânia, Palácios Antônio Lemos e Lauro Sodré, entre outros.

A cidade se ampliou e surgiram vários bairros. Belém virou um importante marco estratégico para a coroa portuguesa. Mas a convivência entre portugueses, índios e negros nem sempre foi tranquila. Como a independência do Brasil em 1822 não foi aceita pela província do Pará, surgiu um sangrento conflito: a Cabanagem. Pela primeira vez, setores populares tomaram o poder. O movimento, no entanto, foi dizimado pelo governo imperial, mas a lembrança da revolução cabana ainda permanece na memória dos paraenses.

O destino da região mudou definitivamento com a implantação da rodovia Belém-Brasília na década de 60. Ferro, cobre, manganês, bauxita, entre outros minérios fazem do subsolo da Amazônia um dos mais ricos do planeta. Com isso, grandes projetos foram instalados no sul do Pará, o que acabou por provocar intensa migração para a região.

A cidade cresce e hoje Belém é parada obrigatória para aqueles que desejam conhecer mais de perto a região que possui a maior biodiversidade do mundo, a Amazônia.



 Escrito por llenna às 22h53
[] [envie esta mensagem]



Basílica de Nazaré
Praça Justo Chermont, sem número; telefone 241-8894. Período de visitação: de terça-feira a domingo, de 8 às 13h30 e de 15 às 18h30. Segunda-feira é fechada.

Bosque Rodrigues Alves
Avenida Almirante Barroso, sem número, no Marco; telefone 226-2308. Período de visitação: de terça-feira a domingo, de 8 às 17 horas. Ingresso a R$ 0,50. Diretor responsável: Marcos Luís Nascimento.

Complexo de Santo Alexandre
Praça Dom Frei Caetano Brandão, na Cidade Velha; telefone 223-2362 e 223-1565. Visitação: horário comercial, até o final de outubro, com entrada franca.

Forte do Castelo
Na Praça Dom Frei Caetano Brandão, 117, no VER-O-PESO; telefone 223-5784. Visitação: de 8 ao meio-dia. Ingresso: R$ 1. Responsável: tenente-coronel Carlos Cézar Leal de Albuquerque.

Fundação Curro Velho
Rua professor Nelson Ribeiro, sem número, no Telégrafo; telefone: 244-5925. Período de visitação: de segunda-feira a sexta, de 8 horas às 18. Entrada franca. Diretora responsável: Dina Maria César de Oliveira.

Igreja da Sé
Praça Frei Caetano Brandão, sem número; telefone 223-2362. Período de visitação: de terça-feira a sexta, de 8 horas às 11; e das 14 às 17 horas.

Igreja das Mercês
Travessa Frutuoso Guimarães, 31, no Comércio; telefone 224-2402. Período de visitação: de segunda-feira a sábado, de 8 às 13 horas.

Igreja Nossa Senhora do Carmo
Praça do Carmo, 72, Cidade Velha; telefone: 241-1100. Visitação: de segunda-feira a sexta, de 8 às 11 horas, e das 14 às 17 horas.

Museu de Arte de Belém
O Mabe, no prédio do Palácio Antonio Lemos, na Praça Dom Pedro II, sem número, na Cidade Velha; telefone: 242-3344. Visitação: de terça-feira a sexta, de 10 ao meio-dia, e de 14 às 17 horas; aos sábados e domingos, de 9 às 13 horas. Entrada franca. Diretora responsável: Lúcia Hussak Vanvelthem.

Museu de Arte Sacra
Praça Frei Caetano Brandão. Fone 225-1125. O museu, aberto de terça à sábado das 10h às 18h, domingos e feriados das 10h às 14h, faz parte do complexo formado pela Igreja de Santo Alexandre e o Palácio Episcopal, ambos do séc. XVIII. Ingressos R$4,00. Entrada franca às terças-feiras.

Museu do Círio
Alameda do Quartel, sem número; subsolo da Basílica de Nazaré, em Nazaré; telefone 224-9614. Visitação: dias úteis, horário comercial. Entrada franca. Diretora responsável: Socorro Ribeiro.

Museu do Estado do Pará
MEP, na Praça Dom Pedro II, sem número, na Cidade Velha. Funciona no Palácio Lauro Sodré. Telefone: 225-3853. Visitação: de segunda-feira a sexta, de 9 às 17h45; aos sábados ocorre a Feira de Antiguidades, de 9 às 17 horas. A entrada é franca. Diretora responsável: Rosângela Marques de Britto.



 Escrito por llenna às 22h52
[] [envie esta mensagem]



Museu Paraense Emílio Goeldi
Avenida Magalhães Barata, 376, em Nazaré; telefone 249-0234 e 249-0163. Visitação: de terça-feira a quinta, de 9 ao meio-dia, e de 14 horas às 17; às sextas-feiras, de 9 ao meio-dia; sábados e domingos, de 9 às 17 horas, sem intervalo. Visita ao parque zoobotânico: R$ 1; circuito completo no parque, exposição e aquário: R$ 3. Criança até 10 anos não paga. Diretora responsável: Adélia de Oliveira Rodrigues.

Parque da Residência
Avenida Magalhães Barata entre a travessa Castelo Branco e a rua 3 de Maio, em São Brás. Antigo local de moradia dos governadores do Estado, o parque funciona de terça-feira a domingo, de 9 às 23 horas, e segunda-feira de 11 às 23 horas. A entrada é franca. Possui restaurante que funciona de terça a domingo de 12h às 15h30 e de quinta à sábado para o jantar, sorveteria, além de orquidário e muito verde. Responsabilidade administrativa: Secretaria de Cultura do Estado (Secult).

Parque dos Igarapés
Conjunto Satélite, WE 12, número 1.000; telefone 248-1718;
248-1766. Valor para a visitação: R$ 10. Responsável: Roberto Milton Pinheiro.

Teatro da Paz
Avenida da Paz, sem número, na Praça da República, no Centro.
Telefone: 224-7355 e 2247201. Período de visitação: de segunda-feira a sexta, de 9 às 18 horas. Sábados e domingos, marcar com antecedência. Preço do acesso: R$ 2. Diretor responsável: Edwaldo Martins.



 Escrito por llenna às 22h51
[] [envie esta mensagem]



Amantes da Natureza


O Pará é rico em alternativas de lazer para o estilo camping turístico ou próprio aos amantes da natureza. É o caso de Monte Alegre (623 quilômetros de Belém), no oeste do Pará, com suas ladeiras, mirantes e uma paisagem composta de serras, lagos e rios. No mesmo molde está ainda Conceição do Araguaia (1.100 quilômetros da capital), um dos grandes polos turísticos, encravado à margem esquerda do rio Araguaia, com praias sazonais. Outro exemplo é Alenquer (701 quilômetros de Belém), na margem esquerda do rio Amazonas, no qual a beleza natural e o misticismo se fundem. Nesse âmbito que agrada os olhos encontra-se Tucuruí (280 quilômetros em linha reta de Belém), que oferece inclusive passeios ecológicos e nas ruínas das cidades semi-submersas.

Tal como Soure, Salvaterra, na Ilha de Marajó (a 83 quilômetros da capital), tem com o que cativar os visitantes, como as praias e campos. O mesmo ocorre com a Ilha de Maiandeua, popularmente conhecida como Algodoal (a 200 quilômetros de Belém), em Maracanã. E ainda vizinhos à capital estão Castanhal (a 77 quilômetros de Belém), com agrovilas e o aprazível Camping Ibirapuera, no bairro Estrela; Vigia (a 98 quilômetros de Belém), com a arquitetura antiqüíssima; e Santa Izabel do Pará (a 48 quilômetros de Belém), em que há igarapés famosos, como Caraparu e Porto de Minas.

Caminhadas pela floresta
Com direito a passeios pelos furos e igarapés do rio Guamá, Moju e Acará, com observação do cotidiano da população ribeirinha. É o que dispõe a Amazon Star Turismo Ltda. (rua Henrique Gurjão, 236, Belém; telefone (091) 212-6244, 241-8624).

Canais e Ilha dos Papagaios
É o que oferece a Amazon Incoming Services (avenida Gentil Bittencourt, 3552, telefone (091) 249-4904), num leque de variações interessantes. No passeio de três horas pelos canais naturais que cortam as ilhas ao redor de Belém está prevista uma parada numa ilha com direito à caminhada para reconhecimento da área e explicação sobre diversas árvores típicas da região. Com o mesmo roteiro também é oferecido passeio em que está previsto almoço em restaurante típico em estilo maloca, construído às margens do rio Guamá. Na Ilha dos Papagaios, na jurisdição de Belém, o passeio é realizado antes do nascer do sol, no qual a principal atração é a revoada das aves.

Passeio Fluvial "Encontros e Encantos"
Desfrutando as belezas dos rios Guamá, Moju, Acará na Baía do Guajará. No dia 12 deste mês, com passeio de lanchas, drinques de boas-vindas, sorteios de brindes típicos do Pará, música ao vivo, além de guia acompanhante, tudo incluso. Informações e reservas: Raios de Sol Viagens e Turismo (rua Veiga Cabral, 1023, Batista Campos; telefone (91) 223-5140).

Passeio Fluvial Itancoã
Programações variadas, como a travessia do rio Guamá e subida pelo rio Guajará-Miri, com desembarque na comunidade afro-indígena de Santa Maria do Itancoã-Miri, no Baixo-Acará e até excursão pela Ilha do Marajó. Passeio durante todo o dia, cada um com até quatro horas. Em noites de lua cheia, seresta com música ao vivo, além de jantar. Contatos: Neytur - Turismo Ltda (rua Carlos Gomes, 300, Belém). Telefones: (91) 241-0777, 224-4552, 224-2469, 222-3872.



 Escrito por llenna às 22h49
[] [envie esta mensagem]



O roteiro do sol na costa do Pará:

Mosqueiro - Localizado a 61 quilômetros de Belém, o balneário, em frente da Baía do Guajará, já foi uma das mais belas ilhas fluviais do Pará. Com 17 km de costa, distribuída em 21 praias de água doce, a ilha do Mosqueiro hoje está praticamente inviável pelo alto índice de poluição. Mesmo assim, é um dos principais pontos do verão paraense. Acesso: BR-316, entrando na PA-391.

Icoaraci - A 18 km de Belém, a única praia da “Vila Sorriso” é a do Cruzeiro (água doce, mas contaminada), destaca-se por ser o centro de produção de cerâmica artesanal Marajoara e pelas barracas de petiscos e bebidas. Vale a pena conhecer os restaurantes especializados na culinária regional, com pratos à base de peixes e frutos do mar regados ao tucupi. Acesso: av. Almirante Barroso, entrando pela rod. Augusto Montenegro.

Ilha do Outeiro - É banhada pela Baía do Guajará e está a 18 quilômetros de Belém. É considerada a praia mais popular pelo fácil acesso. Barraquinhas à beira da praia garantem comida e bebida aos veranistas, a preços bem acessíveis. Acesso: av. Almirante Barroso, rod. Augusto Montenegro, rod. Jader Barbalho.

Ilha de Cotijuba - Localizada na Baía do Marajó, a 25 minutos de lancha de Belém, saindo do trapiche de Icoaraci. A ilha tem mais de mil hectares de natureza quase intocada. Nela também há praias de grande beleza, com paisagens muito particulares, que vão desde os elevados barrancos de calcário até a densa vegetação e areias de terra branca e finíssima. As ruínas de um antigo presídio conferem atrativos históricos aos passeios à ilha.

Salinópolis - A 210 km de Belém, Salinas como é mais conhecida, é um dos balneários de água salgada mais freqüentados da região. Possui 20 km de praias com areias brancas, finas e vegetação nativa. Uma excelente infra-estrutura, envolvendo restaurantes, bares, hotéis, pousadas e barracas de petiscos típicos, além de uma vida noturna bastante agitada. Na praia do Atalaia, a extensa faixa de areia branca e batida permite o acesso de veículos e a prática de esportes de verão. A grande febre dessas férias, ficará por conta dos quadriciclos e motonetas, que têm suscitado polêmicas no Detran. Acesso: BR-316/PA-124 / PA-324.

Marapanim - A 150 km de Belém. Destacam-se as praias de Marudá e Crispim. A praia do Crispim, com 14 km de extensão e a 8 km de Marudá (estrada asfaltada), apresenta barracas rústicas, com serviços de bebidas e petiscos. Do Porto de Marudá partem barcos, que garantem acesso à Ilha de Algodoal, em Maracanã. Acesso: Rodovia BR-316 / PA-136 / PA-318.

Maracanã - VILA DE ALGODOAL - A 147 km de Belém, destacam-se a Ilha de Algodoal, que fica a 40 minutos de Marudá (via barco). Em Algodoal, o único transporte é de charrete. A beleza natural é sem igual. Vale a pena conhecer o Lago da Princesa, de água doce e cercado de uma paisagem fascinante, muito procurada pelos amantes do camping. Acesso: Via Fluvial: barco do porto de Marudá.

Maracanã - Praia de Marieta (Ilha do Marco) - Praia deserta situada no município de Maracanã, de mar aberto, com ondas fortes, areia clara, final e com dunas. Acesso de barco, a partir de Salinópolis (30 minutos) e de Maracanã (1h30). Vale a pena conhecer o Lago do Peixinho, ideal para os adeptos do turismo de aventura. Acesso: Via marítima - barco a partir de Salinas, com duração de 30 minutos, a partir de Maracanã, com duração de 1h30.

Bragança - Fica às margens do rio Caeté, tendo ao norte o Oceano Atlântico. Distante 210 quilômetros de Belém, é uma cidade histórica, que tem como principais atrações a sua arquitetura colonial e a cultura popular, onde se destaca a Marujada. Dispõe de hotéis simples, além da beleza de suas praias. A praia de Ajuruteua, a 35 km de Bragança é a principal da região. Tem águas claras, ondas fortes, areia branca, fina e com dunas. Acesso de carro em estrada pavimentada, ou por barco, saindo do trapiche municipal de Bragança até a vila de pescadores em Ajuruteua. Acesso: Via terrestre - BR-316 / PA-242, viagens com cerca de 4 horas de duração. Via marítima: barco saindo do trapiche municipal de Bragança.

Viseu - Divisa com o Estado do Maranhão, a 320 km de Belém, suas praias são um santuário ecológico (rica fauna e flora) propício ao turismo de aventura, sem infra-estrutura. Seu litoral é a prolongação dos Lençóis Maranhenses. Conhecida como a mais bela praia da região, Apeú-Salvador, a 20 km de Viseu, é a principal praia para banhos. Plana, com ondas fortes, areias branca, fina e dunas. Pequeno comércio e locais para refeição na vila de pescadores. Acesso: Via terrestre - BR-316 PA-242. Via marítima (Apeú-Salvador). Barco com duração de 3h30, partindo de Viseu.



 Escrito por llenna às 22h45
[] [envie esta mensagem]



O centro da cidade de Belém



 Escrito por llenna às 22h40
[] [envie esta mensagem]




 

 

 

Foto: Dirceu Maués
Praia de Joanes vista da Pousada Ventania do Mar
 
Foto: Dirceu Maués
Salvaterra
 
Foto: Dirceu Maués
Salvaterra
 
Foto: Dirceu Maués
Salvaterra
 
Foto: Paula Sampaio
Guarás (Museu Emilio Goeldi)
 
Foto: Paula Sampaio
Jacaré (Museu Emilio Goeldi)
 
Foto: Neldson Neves
Praça da Bíblia
 
Foto: Arquivo
Bragança, vista do rio Caeté

 

 

 



 Escrito por llenna às 22h35
[] [envie esta mensagem]




 

 

 


 
Praia do Pesqueiro em Soure na ilha do Marajó
 
 
Praia de Mosqueiro
 
 
 
 
 
Praça da República à noite
 
 
Tunel de mangueiras da Praça da República, 1997
 
 
Fachada do teatro da Paz
 
 
Garça na Praça Batista Campos
 
 
Marudá

 

 

 

 



 Escrito por llenna às 22h33
[] [envie esta mensagem]



PÔR DO SOL EM BARCARENA


 Escrito por llenna às 22h29
[] [envie esta mensagem]



ILHA DE MARAJÓ

Praia do Pesqueiro
Foto: Paulo Jares



 Escrito por llenna às 21h51
[] [envie esta mensagem]



Belém

Aeroporto Internacional de Belém

BELÉM GANHA NOVO AEROPORTO, UM DOS MAIS MODERNOS DO PAÍS.

O Aeroporto Internacional de Belém, também conhecido como Aeroporto de Val-de-Cans, inaugurado em sua primeira etapa no dia 8 de outubro, já é um dos mais modernos do Brasil. Quando estiver completo, o terminal de passageiros terá 27,5 mil metros quadrados e capacidade para receber quase 3 milhões de passageiros por ano. As obras da segunda etapa do aeroporto serão concluídas em outubro de 2.000, com um investimento de R$ 17 milhões, sendo R$ 5 milhões do Governo do Estado e R$ 12 milhões da Empresa de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero). A primeira etapa da obra substituiu o antigo terminal de 9 mil metros quadrados por um novo, com 16.250 metros quadrados de uma arquitetura arrojada, com dois elevadores panorâmicos e seis comuns, central de água gelada, balcões de check-in informatizados, circuito fechado de TV, restaurantes, lojas comercIais e terraço panorâmico. A ampliação do Aeroporto Internacional de Belém consumiu um nvestimento de R$42 milhões - 40% oriundos do Governo do Estado e 60% do governo federal, através da Infraero. O novo aeroporto possui instalações para agências de turismo, representações das polícias Civil, Militar e Federal, Juizado de Menores, Receita Federal, ambulatório, consultório médico, enfermaria, embarque remoto doméstico e internacional, banco eletrônico, lojas, protect bag, loteria, farmácia, loja de frutos do mar, xerox, banheiros masculino e feminino, área de manuseio de bagagens, café, locadoras de automóveis, sala para malas extraviadas, alfândega, guarda-volumes, malex, free shop, alojamentos, serviços de táxi, hotelaria, custódia e imigração além de representações das secretarias de Saúde e Agricultura. No primeiro pavimento há restaurantes e fast foods, scoth bar, choperia, praça de alimentação, bancas de jornais e revistas, sorveteria, lojas, sala de espera para embarque doméstico e internacional, sala vip, banheiros masculino e feminino, fraldário, posto telefônico, loja de bijuterias, perfumarias, artesanato, cine/foto/som, duty free, free shop, loja de equipamentos importados, bazar, administração do aeroporto, terraço panorâmico, diversões eletrônicas, correios e engraxataria. O aeroporto também tem seis escadas rolantes, quatro esteiras de bagagens, seis pontes de embarque e desembarque climatizadas, 30 balcões de companhias aéreas e 81 terminais de vídeo para informações de vôo. A via de acesso ao aeroporto também é nova. A avenida Júlio César foi duplicada.



 Escrito por llenna às 21h47
[] [envie esta mensagem]



BELÉM DO PARÁ



 Escrito por llenna às 21h39
[] [envie esta mensagem]



 

TACACÁ


O tacacá não é considerado uma refeição. É uma espécie de bebida ou sopa, servida em cuias e vendida pelas "tacacazeiras", geralmente ao entardecer, na esquina das principais ruas das cidades paraenses, sobretudo Belém. Na hora de servir são misturados, na cuia, tucupi, goma de tapioca cozida, jambu e camarão seco. Pimenta-de-cheiro a gosto.

tacaca.jpg (13174 bytes)
Foto: Arquivo PARATUR

 

 

 



 Escrito por llenna às 21h28
[] [envie esta mensagem]



[ ver mensagens anteriores ]





Meu perfil
BRASIL, Norte, BELEM, Mulher, Livros, Viagens
MSN -



 


Histórico
15/08/2004 a 21/08/2004


Votação
Dê uma nota para meu blog


Outros sites
UOL - O melhor conteúdo
BOL - E-mail grátis
LinkinPark